Análise Seminal

ESPERMOGRAMA
O espermograma é o primeiro passo na avaliação laboratorial da fertilidade masculina. Apesar dos avanços tecnológicos disponíveis, a execução deste exame ainda é um trabalho “artesanal” especializado onde se avalia várias características importantes. Além do volume ejaculado, a motilidade, morfologia e a concentração dos espermatozoides, bem como a presença excessiva de células inflamatórias devem ser cuidadosamente identificados.

O tempo de abstinência deve ser entre 3 a 5 dias e devido à grande variação dos parâmetros do espermograma no mesmo indivíduo, é indicado a realização mínima de 2 espermogramas com intervalo mínimo de 3 a 4 semanas.

TESTE DE FRAGMENTAÇÃO DO DNA

A análise seminal é fundamental para a avaliação da infertilidade masculina, utilizando parâmetros como volume, concentração, motilidade e morfologia. Trata-se de um exame que sugere o diagnóstico, mas que não possui sensibilidade suficiente para detectar a etiologia.

Vários estudos demonstraram que homens inférteis apresentam uma maior taxa de fragmentação do DNA espermático. Diversos fatores podem estar associados ao dano ao DNA – estresse oxidativo, fatores ambientais e ocupacionais, idade do pai, quimioterapia, radioterapia, fumo e varicocele.

Uma fragmentação do DNA elevada está associada a uma queda na taxa de fertilização, menor desenvolvimento embrionário, menores taxas de implantação e maior chance de abortamento precoce. Além disso, taxas de nascidos vivos são maiores após FIV/ICSI quando a fragmentação é baixa.

A informação sobre a fragmentação do DNA pode ser útil no manejo clínico da infertilidade, indicações para o reparo da varicocele ou na decisão sobre o uso de espermatozoides do sêmen ou provenientes do testículo, em casos de falhas de FIV/ICSI ou abortamentos repetidos.

A fragmentação do DNA pode ser testada em um exame simples realizado em combinação ao espermograma ou não.

Agarwal, Curr Opin Obstete Gynecol, 2016

Guzick, N Engl J Med, 2001

Palermo, Fertil Steril, 2014

Shamsi, J of Assited reproduction and genetics, 2011

Simon, Human Reprod, 2014